Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Oi... pode falá!

por neves, aj, em 31.03.04

... é uma das expressões que ouço amiúde e que mais me prende a atenção...

Ninguém porá em causa que, aquando da descoberta (ou achamento) em 1500, Álvares Cabral impôs a língua portuguesa como idioma oficial nestas terras exóticas (exóticas para Cabral e seus pares, entenda-se). Também ninguém duvidará que a linguagem usada por um povo sofre modificações ao longo dos tempos, seja por influência externa, seja por vontade popular. E, afinal não é o povo quem mais ordena? Ele terá sempre força para fazer prevalecer a denominação que atribui às coisas.O português hoje falado e escrito por terras brasileiras possui uma estrutura muito própria que teve o mérito de saber moldar-se às influências dos vocábulos multilingues que o invadiram: assim, não desprezando a língua mãe, adoptou e absorveu (desde logo) os dialectos africanos trazidos pelos escravos e (mais tarde) os idiomas migrantes mais díspares, desde o italiano ao holandês ou alemão passando pelo castelhano ou japonês. Com tais ingredientes, o cozinhado teria de sair bem gostoso: para além de expressões bem típicas que atravessam fronteiras e que até chegam a "colonizar" outras paragens, o povo brasileiro oferece-nos um melódico sotaque que é ímpar no mundo e nos contagia de alegria. E nos dias de hoje, queiramos ou não, temos obrigatoriamente de considerar dois "tipos" de Português</a> (idioma, atente-se): o de Portugal e o do Brasil. Para além de existirem termos e expressões de qualquer um dos povos que são (quase) imperceptíveis pelo outro, há diferenças relevantes na grafia. Contam-se neste caso, e do lado brasileiro, a supressão dos cês e pês mudos como em facto e baptismo ou a substituição do acento agudo pelo circunflexo em algumas palavras como Antônio no lugar do portuguesíssimo António. Todavia, o que acabei de dizer não é completa novidade, principalmente para os utilizadores das novas tecnologias. Em qualquer processador de texto, já surge a diferenciação entre os dois "tipos" de idioma, cada qual com o seu próprio dicionário de português (de Portugal e do Brasil). Agora, imaginem o cuidado que terei de ter para vos servir correctamente o que fabrico. Como no computador que utilizo só está instalado o corrector ortográfico de "português do Brasil" vejo-me na obrigação de redobrar de cuidados e educar a mente no sentido de que quando sou avisado de erro é porque a palavra poderá estar, certamente, escrita de forma correcta no meu, "nosso português". Verdadeiro contra-senso, não?

Oi... pode falá! Esta é uma das expressões que ouço amiúde e que mais me prende a atenção. Dita assim fora de contexto dá a falsa ideia de que nos estão a dar permissão para falar em reunião ou assembleia onde previamente pedimos a palavra. Em parte... A primeira vez que a ouvi foi quando me dirigi, logo num dos primeiros dias, ao balcão de uma pequena lanchonete que definirei como estabelecimento idêntico à nossa casa de pasto e bar, onde se poderá tomar as refeições ou simplesmente beber um copo. Mas, não foi a expressão propriamente dita que me deixou um pouco perturbado, já que pela "pinta" e na situação de potencial cliente em que me encontrava defini (quase) de imediato como o usual "faz favor" que ouvimos diariamente por esse Portugal fora. A surpresa foi determinante, mas mais foi a entoação e a ênfase colocadas na articulação da frase e mais do que tudo o radiante e alvo sorriso (a contrastar com a epiderme morena) da bela e jovem mulata, funcionária no estabelecimento. Uma cotovelada subtil, mas oportuna, trouxe-me à realidade e imediatamente solicitei em português pausado: "dois cafés se faz favor". Se faz favor... Só agora é que tomei consciência que somos o país do "se faz favor". Reconheçamos que por tudo e por nada, mesmo que a intenção não seja essa (lembrem-se dos mangas de alpaca das repartições públicas) a nossa "boa educação" leva-nos a pronunciar constantemente esta frase, até no intento de chamar a atenção de quem não sabemos a graça. Já que me foi franqueado, não irei perder a oportunidade de num futuro próximo deliciar-me com a leitura de obra literária da autoria do escritor brasileiro Mário Prata, que tem por título aquela locução, a qual também identifica por estas bandas a raça lusa tanto quanto o bacalhau e/ou o vinho. Por sua vez a (minha) pronúncia não terá tanto poder de identificação de cidadão português como esperaria, nesta enorme metrópole de S. Paulo. De tão cosmopolita que é. Até já tolero, embora com certa mágoa, interrogarem-me pela negativa -não é brasileiro, pois não? Mas, depressa o meu ego se enaltece (longe vá toda e qualquer intenção ou mero pensamento colonialista) quando reconhecem a proveniência. O sorriso das pessoas abre-se ainda mais, a simpatia aumenta e a curiosidade, a ânsia de saber, sobre o pequeno rectângulo é motivo mais que suficiente para alegre e (muitas vezes) demorado diálogo, fechado frequentemente com um aperto de mão bem sentido e um reconfortante até mais ver, patrício!. O cordão umbilical, afinal, ainda não foi completamente cortado e leva-me a pensar que as célebres piadas sobre os portugas, que aparentemente se poderão considerar de carácter pejorativo, são contadas com igual "carga" como as nossas anedotas sobre os alentejanos.
Ao viajar no metropolitano (o metrô) que funciona em pleno ou no ônibus (de calibre igual aos serviços nas nossas cidades) deparo com as mais variadas fisionomias, formas corporais ou cor de pele... é o Brasil.Desde a mulher "mais comum", alta ou baixa, morena ou loura (falsa ou de íris azuis), oriental ou mulata, magra ou gorda, à refinada brasileira de corpo escultural com cintura fina e bunda empinada (que o grande Jorge Amado imortalizou), a magnificente S. Paulo oferece aos olhares mais atentos uma enorme heterogeneidade do sempre belo sexo feminino e à mulherada (como por aqui se diz) que me está a ler só me resta pedir perdão pela omissão da descrição dos exemplares machos!


Monumento da Independência-Ipiranga- e Bandeira do Império

- Como se sente o tuguinha no Dia da Independência do Brasil? A pergunta carinhosa e inofensiva feita de sorriso aberto pela minha companheira de almoço obrigou-me a interromper a viagem da garfada da deliciosa feijoada à brasileira. Estávamos na lanchonete e a TV mostrava imagens das comemorações, que "cá como lá" sofreram sérios cortes orçamentais. Realmente eu nada sentia de especial. Mesmo que tivesse sido recente, tal como outras independências que muito nos tocam, a minha concepção de que os povos têm direito à sua autodeterminação levar-me-ia a concordar e até a dizer mais... contrariando as vozes saudosistas, que as independências não se dão... são os povos que se sentem oprimidos que as conquistam. Cento e oitenta anos. A 7 de Setembro de 1822, nas margens de um pequeno riacho que atravessa esta cidade de S. Paulo, D. Pedro filho do el-rei de Portugal, João VI, proclamou a Independência do Brasil. Independência ou Morte foram as célebres palavras proclamadas pelo futuro imperador do Brasil e que ficou conhecido como o Grito do Ipiranga devido a ser esta a denominação daquele curso de água. Nesta S. Paulo, louca... louca, o tempo foge-me. Tudo está longe de tudo e atraso-me na redacção das crónicas. Para agravo, os fusos horários "traem-me!" e impõem-me um atraso de mais quatro horas. Sentado à frente do computador para ultimar o que ledes e depois enviar pelas ondas do ciberespaço, assisto ao alvor do dia tendo como companhia o piar melodioso dos "bem ti vi", assim denominados por o seu canto se assemelhar à própria expressão que eu arrisco em "traduzir" para bons olhos te vejam. Por aí a manhã já vai alta!
(Redigido em 2002/Setembro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:08

SÍMBOLOS

por neves, aj, em 30.03.04
Símbolos

Embora não sendo obrigação, não ficará mal prestar pequena explicação sobre o grafismo das minhas duas assinaturas com que costumo selar os meus escritos.

Nesta fui "roubar" aos ingleses a significação de "seven" e representei-a sob a forma de numeral sete. Acrescentei-lhe ainda a estrutura molecular de um flóculo de neve, que é, afinal, substância intrinsecamente ligada ao meu nome de família.

Photobucket

Esta assinatura, já totalmente identificada com a minha pessoa, foi buscada no selo artístico colocado por meu pai, alfaiate José Neves, nas suas obras. Ao estilístico Neves das etiquetas colocadas no forro de casacos e coletes só lhe acrescentei o AJ. Jamais irei esquecer que a ideia surgiu na manhã de uma improvável Sexta-feira de tarde triste, mas que tinha hora previsível.
Restará acrescentar por imperativo de agradecimento e amizade que o manuseamento gráfico em computador foi obra do Ricardo Silva, na altura monitor no Espaço Internet de Santa Comba Dão.

ler razões de um nome

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:22

SONHEMOS... (mais uma vez)

por neves, aj, em 28.03.04
Grupos – Calendário – Resultados de Jogos – Classificação
Valeu a Pena Sonhar

Mau demais...

Foi deveras mau, muito mau, o início da participação daSelecção Nacional Portuguesa no Campeonato Europeu de Sub-21 que está a decorrer na Alemanha. Com a derrota por 1-3 para os suecos a "Equipa dasQuinas" vê-se na obrigação de ganhar o próximo jogo com a Suíça seainda quer sonhar com Atenas e, porque não, com o título europeu. Tenhamosfé. O desafio com os helvéticos é Domingo, 30 pelas 19:45 horas de PortugalContinental.

Sonhemos... que outra sina não temos!</b>

Rima e até é verdade!
Não há intenção de fazer comentários sobre este "meio-desaire"... passado é passado e parta-se para o próximo embate. O adversário é o mesmo e o país onde se vai disputar o desafio também!
Não é a Selecção dos AA nem o mesmo seleccionador, mas o objectivoé  igual: ganhar!
E o argumento de José Romão terá que ser única eobjectivamente o mesmo de José Torres antes daquele célebre e derradeiro jogode qualificação frente aos alemães (vitória 1-0 com golaço de CarlosManuel) que nos levou ao Mundial de 1986 no México: "Deixem-mesonhar"!
Para evitar o  habitual uso de calculadora convém tambémfazer uma prece aos deuses vikings para que espicacem os seus pupilos nórdicos(já apurados) de modo a não se deixarem surpreender pela enigmática Suíça eassim... lá continuaremos, cantando mas não rindo, a sonhar com a "Chamade Atenas".
A ver vamos...

Sonhámos e contretizámos, mas...</b>

Sonhámos e concretizámos. A vitória por 2-1 sobre os alemães permitiu à Selecção Nacional Portuguesa a passagem às Meias-finais do Europeu Sub-21. O sonho da ida aos Olímpicos e, porque não ao título europeu, tomava forma. Só que a selecção italiana não esteve pelos ajustes e já nos tirou a possibilidade da conquista do ceptro europeu. Resta-nos Atenas. Para concretizar essa ambicionada presença será necessária uma vitória sobre a Suécia no desafio do Apuramento do 3° lugar, o lugar último que dá acesso aos Jogos. Sonhemos então mais uma vez...

... Atenas está logo ali!</b>
[Error: Irreparable invalid markup ('<a [...] </a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<a name="sub21"></a><center><font size="3"><b><a href="113439.html" target="_blank">Grupos – Calendário – Resultados de Jogos – Classificação</a><br><a href="118484.html" target="_blank">Valeu a Pena Sonhar</a></b></font></center><br><center><font color=blue size=4><b>Mau demais...</b></font></center><center><table border=4><tr><td><img src=http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/sportv.jpg></td></tr></table></center><p align="justify"><font size="4">Foi deveras mau, muito mau, o início da participação daSelecção Nacional Portuguesa no <a href="113439.html" target="_blank">Campeonato Europeu de Sub-21</a> que está a decorrer na Alemanha. Com a derrota por 1-3 para os suecos a &quot;<a href="javascript:void(tmp=open(' http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/equipa.jpg', 'photobucket', 'toolbar=no, scrollbars=yes, resizable=no, menubar=no, status=no, directories=no, location=no, width=620, height=420'))" target="_self">Equipa dasQuinas</a>&quot; vê-se na obrigação de ganhar o próximo jogo com a Suíça seainda quer sonhar com Atenas e, porque não, com o título europeu. Tenhamosfé. O desafio com os helvéticos é Domingo, 30 pelas 19:45 horas de PortugalContinental.</font></p><center><font face=Arial size=4 color=blue>Sonhemos... que outra sina não temos!</b></font></center><center><table border=4><tr><td><img src=http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/por_sui.bmp></td></tr></table></center><p align="justify"><font size="4">Rima e até é verdade!<br>Não há intenção de fazer comentários sobre este "meio-desaire"... passado é passado e parta-se para o próximo embate. O adversário é o mesmo e o país onde se vai disputar o desafio também!<br>Não é a <i>Selecção dos AA</i> nem o mesmo seleccionador, mas o objectivoé  igual: ganhar!<br>E o argumento de José Romão terá que ser única eobjectivamente o mesmo de José Torres antes daquele célebre e derradeiro jogode qualificação frente aos alemães (vitória 1-0 com golaço de CarlosManuel) que nos levou ao Mundial de 1986 no México: &quot;Deixem-mesonhar&quot;!<br>Para evitar o  habitual uso de calculadora convém tambémfazer uma prece aos deuses vikings para que espicacem os seus pupilos nórdicos(já apurados) de modo a não se deixarem surpreender pela enigmática Suíça eassim... lá continuaremos, cantando mas não rindo, a sonhar com a &quot;<i>Chamade Atenas</i>&quot;.<br><b>A <a href="113439.html#Portugal - Alemanha" target="_blank">ver</a> vamos...</b></p><center><font face=Arial size=4 color=blue>Sonhámos e contretizámos, mas...</b></font><table border=4><tr><td><img src=http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/port_alem.jpg></td><td><img src=http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/port_ital.jpg></td></tr></table></center><p align="justify"><font size="4">Sonhámos e concretizámos. A vitória por 2-1 sobre os alemães permitiu à Selecção Nacional Portuguesa a passagem às Meias-finais do Europeu Sub-21. O sonho da ida aos <a href="http://www.athens2004.com/athens2004/" target="_blank">Olímpicos</a> e, porque não ao título europeu, tomava forma. Só que a selecção italiana não esteve pelos ajustes e já nos tirou a possibilidade da conquista do ceptro europeu. Resta-nos Atenas. Para concretizar essa ambicionada presença será necessária uma vitória sobre a Suécia no desafio do <a href="#3lugar">Apuramento do 3° lugar</a>, o lugar último que dá acesso aos Jogos. Sonhemos então mais uma vez...</font></p><center><font face=Arial size=4 color=blue>... Atenas está logo ali!</b></font></center><center><table border=4><tr><td><a name="3lugar"</a> <img src=http://img44.photobucket.com/albums/v136/seven2004/Futebol/sue_port.jpg></td></tr></table></center><br><p align="justify"><font size="4">Após a derrota para a Itália e com a impossibilidade de estarmos na final do Europeu Sub-21 resta-nos a "triste consolação" do 3° lugar no pódio, mas que (a concretizar-se) será bem saborosa. É que este terceiro posto dá direito à presença nos <a href="http://www.athens2004.com/athens2004/" target="_blank">Jogos Olímpicos de Atenas 2004</a>. Certamente que a derrota de Portugal no jogo inaugural frente a esta mesma Suécia já estará "esquecido" e resta então que os bravos jovens esperanças se apliquem, que empreguem toda a sua raça e que nos dêem a alegria de ver a Camisola das Quinas presente na próxima Olimpíada.</font></p><center><font size="3"><b><a href="118484.html" target="_blank">Valeu a Pena Sonhar</a></b></font><br><font face=Verdana size=2><a href="#sub21">Ir para o topo</a></font> </center><br>

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:01

Europeu Sub-21(2004)

por neves, aj, em 27.03.04
Boa Sorte Portugal

Grupos – Calendário – Resultados de Jogos – Classificação
Passo a Passo
Valeu a Pena Sonhar

De 27 de Maio a 8 de Junho de 2004 terá lugarna Alemanha o Campeonato Europeu de Sub-21 em futebol. A SelecçãoNacional Portuguesa está integrada no Grupo B conjuntamente com aselecção anfitriã e as formações da Suíça e Suécia. Neste Europeu aambição de qualquer uma das formações não será só a conquista do título,pois a competição definirá igualmente as restantes três equipas queacompanharão a Grécia (já apurada por ser país sede) aos Jogos Olímpicos.Resulta então que serão apuradas as três primeiras selecções daclassificação final.
Regulamento - As oito equipas foram agrupadas em doisgrupos de 4 equipas cada e passarão às meias-finais as 2 primeiras de cadagrupo. A 1ª do Grupo A jogará com a classificada em 2º lugar no Grupo B e a1ª classificada deste grupo  com a 2ª no Grupo A. Os vencedores de cadaum destes jogos disputarão a Final e os vencidos medirão forças para oapuramento do 3º lugar que, como se disse, dará (também) passaporte paraAtenas.

Grupos – Calendário – Resultados de Jogos – Classificação
Passo a Passo
Valeu a Pena Sonhar

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:42

Euro 2004

por neves, aj, em 25.03.04

Europeu 2004


Grupos — Calendário e Resultados — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra
Euro 2004 a 8 mil Km I — Euro 2004 a 8 mil Km II — Euro 2004 a 8 mil Km III
Euro 2004 a 8 mil Km IV — Euro 2004 a 8 mil Km V — Euro 2004 a 8 mil Km VI

Ei-lo que chega.
Com ele as emoções e também a esperança dos portugueses deverem a sua Selecção finalmente afirmar-se.
A maratona começa no Sábado dia 12 de Junho pelas 17:00 horas de PortugalContinental e o palco é o espectacular Estádio do Dragão na cidade do Porto. As selecções de Portugal e da Grécia serão os intervenientes de umdesafio que se espera também espectacular e com desfecho favorável às nossas cores. Aambicionada final será em 4 de Julho no também deslumbrante Estádio da Luz onde se espera ver o capitão da Selecção Nacional Portuguesa erguer o troféu de Campeões daEuropa.
Ciente de que se torna difícil falar, nesta altura, algo mais sobre o Euro 2004 sempre se vai aciantando que que será uma prova equilibrada e de desfecho imprevisível,reconhecidamente competitiva. Tão competitiva que até os comentadoresdesportivos do "país com o melhor futebol do mundo" (como por aqui se define o Brasil futebolístico) reconhecem que um Europeu com Brasil e Argentina seria em termos meramente futebolísticos uma Copa Mundial, "mais equilibrada, mais competitiva e mais espectacular"(sic).
Nós portugueses depositamos muitas esperanças e mesmo tendo em conta o desejo que essas esperanças me acalentam eu não me atrevo a exprimir previsões sobre o desfecho preferindo empregar acélebre calinada do então capitão de uma das mais prestigiadas equipas dofutebol nacional que antes de um desafio importante afirmou que"prognósticos só no final".
Ao criar esta "entrada" no Vozdo Seven dedicada ao Euro2004 nada mais me moveu que uma necessidade intrínsecade, como desportista e português a oito mil quilómetros de casa,"construir o meu campeonato" e ao mesmo tempo encaminhar-vos a sítios que eu achointeressantes e vos colocar dentro da competição sem perda de tempo em navegaçõesmais complexas, apesar de que o site oficial do Euro 2004 estáespectacular.
Dêem-se aqui os parabéns à organização.
Comose impõe está redigido em várias línguas fazendo ver, por exemplo, aoórgão máximo do futebol mundial que no seu site FIFA.com despreza incompreensivelmente a Língua Portuguesa, não levando emconsideração sequer, e pelo menos, os feitos futebolísticos de "nossosirmãos" brasileiros.
Agradável à vista e à navegação, o sítio doEuro 2004 oferece-nos logo de entrada as "últimas notícias" e comoseria de esperar os desafios do dia, os realizados na véspera e os que se irãodisputar no dia seguinte. Poderá também o navegador "entrar" em cadauma das equipas e até em cada uma das cidades onde se disputam os desafios.
Maisescondido estará o Kinas (não escondo a crítica à grafia) a mascote oficialda prova e nesta página poderá o visitante conhecer a identidade de talpersonagem e assistir a animaçãoem flash, ao vídeo de lançamento e atégravar a screensaver para colocar na tela do computador.
Tambémvos encaminho à distância de um simples clique para o logótipo dacompetição, para assim compreenderdes o seu significado e mais... como foifeito o estudo, embora que aqui tereis que colocar em acção os vossosconhecimentos da língua inglesa, mas os desenhos anexos ajudam a compreensão.
Ambos os itens citados estão na página dedicada à organização onde tambémse poderá saber sobre alojamento, segurança, bilhetes ou atéinfra-estruturas.
Poderá ser feita uma viagem ao histórico dos Europeusanteriores e quanto ao actual torneio, cujo organograma nos é oferecido emesquema simples e objectivo, resta encaminhar-vos para os regulamentos daprimeira fase de grupos (depois será o tradicional "bota-fora" que por estas bandas toma o nome de "mata-mata") efalar-vos da bola usada na competição. Baptizada de Roteiro em homenagema Vasco da Gama e ao seu diário de bordo, a sua imagem apresenta uma base decor azul metalizada a representar o céu e o mar e linhasprateadas que representam o sistema de coordenadas usado e aperfeiçoado pelosdescobridores portugueses. Realce-se que foi fabricada uma determinadaquantidade de bolas personalizadas para cada desafio, ou seja num Portugal -Espanha a "bola de jogo" terá a inscrição das selecções participantes e o local e data do desafio. Sem dúvida, uma bela recordação para qualquer um dosparticipantes.
Do Voz do Seven fica, assim, a promessa de acompanhar o Euro 2004 com um bem especial e carinhoso "Bate-Coração" pela nossa Selecção das Quinas.

Grupos — Calendário e Resultados — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra
Euro 2004 a 8 mil Km I — Euro 2004 a 8 mil Km II — Euro 2004 a 8 mil Km III
Euro 2004 a 8 mil Km IV — Euro 2004 a 8 mil Km V — Euro 2004 a 8 mil Km VI

Ir para o topo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

grupos

por neves, aj, em 25.03.04

Grupos

Calendário e Resultados — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra
Grupo A Grupo B Grupo C Grupo D

Portugal

França

Suécia

Rep Checa

Grécia

Inglaterra

Bulgária

Letónia

Rússia

Suíça

Dinamarca

Alemanha

Espanha

Croácia

Itália

Holanda

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29

fase final

por neves, aj, em 25.03.04

Fase Final

Grupos — Calendário e Resultados — Classificação — Quadro de Honra

Quartosdefinal

24/06
Luz

Portugal – Inglaterra

2-2 (6-5 gp)

25/06 Alvalade

Grécia – França</o:p>

1–0

26/06 Algarve

Suécia – Holanda

0–0 (4-5 gp)

27/06 Dragão

Dinamarca – Rep Checa

0-3

Meias finais

30/06
Alvalade

Portugal – Holanda

2-1 

01/07 Dragão

Grécia – Rep Checa

0–0 (1-0 pr)

final

04/07
Luz

Portugal – Grécia </o:p>

0–1


Quadro de Honra

Ir para o topo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

Classificação

por neves, aj, em 25.03.04

Classificação

Osdois primeiros classificados de cada grupo apuram-se para osquartos-de-final.
Critériosde desempate
— vencedorda partida entre as duas selecções em questão
— diferença degolos marcados e sofridos
— número de golos marcados
— odesempenho no apuramento para o Campeonato do Mundo de 2002 e UEFA EURO 2004™
— posição num "ranking" de "fair-play"

 

Grupo A

J

V

E

D

M-S

P

1

Portugal</o:p>

3

2

–

1

4–2

6

2

Grécia

3 1 1 1 4–4 4

3

Espanha

3 1

1

1

2–2

4

4

Rússia

3

1

–

2

2–4

3

Grupos — Calendário e Resultados — Fase Final

 

Grupo B</o:p>

J

V

E

D

M-S

P

1

França

3

2

1

–

7–4

7

2

Inglaterra</o:p>

3

2

–

1

8–4 6

3

Croácia

3

–

2

1

4–6 2

4

Suíça

3

–

1

2

1–6

1
Grupos — Calendário e Resultados — Fase Final

 

Grupo C

J

V

E

D

M-S

P

1

Suécia

3 1 2 – 8–3 5

2

Dinamarca

3 1 2 – 4–2 5

3

Itália

3 1 2 – 3–2 5

4

Bulgária

3 – – 3 1–9 0
Grupos — Calendário e Resultados — Fase Final

 

Grupo D </o:p>

J

V

E

D

M-S

P

1

Rep Checa

3 3 – – 7–4 9

2

Holanda

3 1 1 1 6–4 4

3

Alemanha

3

– 2 1 2–3 2

4

Letónia

3 – 1 2 1–5 1
Grupos — Calendário e Resultados — Fase Final — Quadro de Honra
Ir para o topo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43

Calendário

por neves, aj, em 25.03.04

Calendário de Jogos

Grupos — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra

PrimeiraFase

Grupo A

Grupo B

12/06

Portugal - Grécia

1 – 2

13/06

Suíça – Croácia

0 – 0

12/06

Espanha – Rússia

1 – 0

13/06

França – Inglaterra

2 – 1

16/06

Grécia – Espanha

1 – 1

17/06

Suíça – Inglaterra

0 – 3

16/06

Portugal – Rússia

2 – 0

17/06

França – Croácia

2 – 2

20/06

Rússia – Grécia

2 – 1

21/06

Croácia – Inglaterra

2 – 4

20/06

Portugal - Espanha

1 – 0

21/06

França – Suíça

3 – 1

Classificação Grupo AClassificação Grupo B

Grupo C

Grupo D

14/06

Dinamarca– Itália

0 – 0

15/06

Rep Checa – Letónia

2 – 1

14/06

Suécia – Bulgária

5 – 0

15/06

Alemanha – Holanda

1 – 1

18/06

Dinamarca – Bulgária

2 – 0

19/06

Alemanha – Letónia

0 – 0

18/06

Suécia – Itália

1 – 1

19/06

Rep Checa – Holanda

3 – 2

22/06

Itália – Bulgária

2 – 1

23/06

Holanda – Letónia

3 – 0

22/06

Suécia – Dinamarca

2 – 2

23/06

Alemanha – R Checa

1 – 2

Classificação Grupo CClassificação Grupo D
Grupos — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra

Ashoras indicadas referem-se a Portugal Continental e Região Autónoma da Madeira. Será a mesma hora no ReinoUnido e mais uma (+1) em Espanha e Europa Central. Na Região Autónoma dosAçores será menos uma (–1) e menos quatro (–4) em São Paulo.

Ir para o topo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:02

EURO2004 a 8 mil Km – I

por neves, aj, em 25.03.04
Álbuns de Fotos

Euro2004 a 8 mil Km –I

Portugal  1 – 2    Grécia

Grupos — Calendário e Resultados — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra
Introdução ao Euro 2004 — Euro 2004 a 8 mil Km II — Euro 2004 a 8 mil Km III
Euro 2004 a 8 mil Km IV — Euro 2004 a 8 mil Km V — Euro 2004 a 8 mil Km VI</center>

Quefazer?...

Nós, portugueses apoiantes da Selecção Nacional Portugusa, o que teremos de fazer éengolir com dignidade a derrota ante a Grécia e ter esperança, pois lápor termos perdido uma batalha não quer dizer que se vá perder a guerra.
Eles,os intérpretes, terão muito mais a fazer. Primeiro que tudo devem visionaraquele desafio inaugural e comprometerem-se a não repetirem os erros cometidose depois partir p'ra cima da Rússia na próxima Quarta-feira, dia 16 pelas19:45 horas no Estádio da Luz em Lisboa. "Saltar-lhes em cima" com garra, determinação e talvez comum pouquinho daquela sorte, patriotismo à parte, que nos faltou na primeirapartida.
Completaria o "quadro do bom sucesso" com o desejo de que o árbitro norueguês TergeHauge dirija o encontro normalmente sem olhar aos intervenientes, nãolevando para o relvado ideias pré-formadas de que o jogador tal costuma fazeristo, aquele tem por hábito lançar-se para a relva, etc, porque não me venhamcá dizer que Collina não transportou para o campo a ideia de só marcarfalta sobre Luís Figo quando o adversário lhe cascasse a sério, quando a infracção fosse demasiado grosseira. É que istode ser o "melhor árbitro do mundo" (eleição da Nike?) também tem muito que se lhe diga e penso que Collina entrou naquelepernicioso protagonismo próprio dalguns "árbitros dos distritais" (com adevida vénia) que ao não desejarem ser acusados de "caseiros" ajuizam em prejuízo dos locais. No entanto, lembro que "não foi por aí que o gato foi às filhós ". Portugal foi bem derrotado por uma Grécia muito determinada e tacticamente perfeita que soube gerir a vantagem conquistada em momentos cruciais do desafio, mas isso não invalida que eu aqui não deixe o meu protesto ao trabalho da vedeta e agora até coloco com mais convicção as dúvidas sobre a existência da grandepenalidade. Se em movimento normal os meus protestos não se fizeram sentir, jáem "câmara lenta" coloco dúvidas e não dou o benefício aoárbitro não, porque afinal ele é o melhor do mundo. Para meu (des)contentamento, aminha opinião é compartilhada por ex-árbitro brasileiro e agora comentadordesportivo em canal de televisão que no seu programa de Domingo 13, dedicoubastante tempo à análise do Euro 2004 e em especial à derrota de Portugal. Esta foiescalpelizada minuciosamente, mas não se vá pensar que se aprendeu algo com adiscussão.
Os comentários tinham um único propósito: salvar a pele deFelipão.
Era dito e redito que a Selecção Portuguesa não tinha qualidade eque Scolari nada poderia fazer. Frisava-se repetidamente que a "cobrança" aotreinador iria ser enorme quando o problema estava na citada (má) qualidade dogrupo (salvaram um pouco a pele de Figo e de Pauleta) e nos problemas debalneário entre Figo e Deco. Santa ignorância. A quanto obriga o branqueamentodo compatriota gaúcho.
Não desejo alargar-me em comentários, mais porrespeito à família que agora construí e aos amigos que angariei, mas que édifícil ouvir isto digo-vos que é.
Gostaria de lhes gritar, por exemplo, que não foiFelipão que incutiu nos "torcedores" portugueses a paixão pelofutebol (o próprio coração do logótipo começou a palpitar bem antes de Scolari rumar a Portugal), como apontou um comentador médico de profissão ao visionar as imagens coloridas de verde, vermelho e amareloque aqui nos chegam. Teve ainda tempo o clínico, e também comentador de desafios ao vivo, de focar que "essa euforia só no Mundial de 66 quandoPortugal barrou o Brasil naquele jogo da pancada do Vicente ao Pelé" –arre bolas, passaram quase 40 anos e o homem, profissional do ramo repito, ainda não conseguiu desencravar aquela espinha atravessadana garganta.
Gostaria também de lhes bradar que quanto à "cobrança" aFelipão, foi ele próprio que colocou a fasquia alta, mais propriamente naFinal do Euro2004. Mas fique bem claro que se o objectivo não for alcançado, se, repito, se algo correr mal à Selecção Portuguesa poderá Luiz Felipe Scolari e sua família continuarem a viver sossegadamente na tranquila e aburguesada Cascais... e para bom entendedor meia palavra basta!
Gostaria ainda de lhes berrar que os portugueses não são contra anaturalização do cidadão brasileiro Anderson de Souza, tal como não foram contra a de tantos e tantos outros futebolistas, como por exemplo o "problemático" Jardel, que mais não fizeram que servirem-se da Lei para possuirem iguais direitos cívicos e laborais aos demais e, essencialmente, adquirirem o estatuto de cidadãos comunitários e assim circularem livremente por toda a União Europeia. Eu faria o mesmo e não estarei livre de o fazer um dia em sentido inverso.
Agora quanto à convocação de Deco, atleta nascido no Brasil, para a Selecção Portuguesa é que as opiniões se dividem. O cidadão Luís Figo expressou a sua, que sabemos contrária, e é coerente mantendo a sua posição. Tal como eu, e de mim a imprensa não fala, que coloco também reticências à convocação de cidadãos estrangeiros (realce-se estrangeiros e não apenas brasileiros) naturalizados portugueses e, mesmo aos que não me conhecem, aviso que não admito que me acusem de xenofobismo, por mais leve que seja essa acusação.
Na minha maneira de ver, uma Selecção que representa um país (seja ele qual for) deve ter identidade nacional forte, o "amor à camisola" deve ser produto natural do patriotismo e não adquirido por mero acto de profissionalismo.
No caso português, será que custará muito a entender que a banalização do processo pode transformar aSelecção das Quinas numa "sucursal brasileira" tal é a quantidadede jogadores jovens brasileiros que rumam a Portugal? Já não foi lido na imprensa que mais futebolistas brasileiros não descartariam a possibilidade de vestir as cores portuguesas?
Aos senhores do programa afirmo ainda que, conhecendo eu o que jáconheço do futebol brasileiro, seria mais provável a Amazónia e todo o Nordeste brasileiro se tornarem gelados em glaciação catastrófica do que um português naturalizado brasileiro envergar algum dia a camisa canarinha (e será desnecessário rebaterem-me com o Ténis ou o Voleibol, porque "o fenómeno futebol é outra louça")
Estou cônscio que a "questão Deco" já não o é. Muito se falou e se escreveu e agora só os mal intencionados é que gostam de ver problemas onde não os há. Ninguém duvida das qualidades futebolísticas de Deco e da sua raça. Até mesmo os mais renitentes à sua convocação certamente já se renderam à sua dedicação à causa portuguesa e, tal como eu, acreditam que Deco se sente agradecido a Portugal, que tudo faz e fará para honrar a Camisola das Quinas e se ainda não aprendeu o Hino Nacional Português também não fará diferença (outros com maior obrigação não o sabem), só lhe é pedido que o sinta. Como prova de que considero Deco um jogador nacional de pleno direito apresento-vos a felicidade estampada na vermelha crista do meu pequeno Galo de Barcelos empoleirado na "geladeira" dacozinha, por ter herdado o apodo do "mágico" da bola.
Mas, fica o pedido de que se se abriu o precedente, pois que se feche o precedente... pelo menos pelos tempos mais próximos.
Nos "finalzinhos" direi ainda que é com mágoa que constato que a maioria dos brasileiros(comentadores incluídos) pouco sabe sobre o futebol português e nem seise estarão interessados em saber (por isso é que são necessários muitos maistítulosinternacionais como o último do Dragão). Vá lá saber-se porquê, os brasileiros desligam-se do nosso futebol apesarda maioria dos jogadores (à volta de 60 %) na nossa Superliga ser denacionalidade brasileira como apontou e bem o ex-treinador belenense MarinhoPeres em um programa televisivo, não se esquecendo de frisar ainda que "devemos [eles brasileiros] respeitar o futebolportuguês nem que seja pelo facto de acolher os nossos jogadores".
Depoisdeste desabafo que de maneira alguma foi para desviar a atenção ou minorar osofrimento das vergastadas gregas só resta desejar boa sorte aos nossos Kinas eque todos os portugueses presentes na Luz, na próxima Quarta-feira, lhes dêem o apoio necessário do primeiro ao último minuto.
Porcá, sentadinho no sofá e com os olhos enfiados no televisor eu também estarei num "Bate-Coração" pelaNossa Selecção.

Grupos — Calendário e Resultados — Classificação — Fase Final — Quadro de Honra
Introdução ao Euro 2004 — Euro 2004 a 8 mil Km II — Euro 2004 a 8 mil Km III
Euro 2004 a 8 mil Km IV — Euro 2004 a 8 mil Km V — Euro 2004 a 8 mil Km VI
Ir para o topo

</center>

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:13

Pág. 1/2





  


 photo logoasminhasfotos_zps81358f6e.png

calendário

Março 2004

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




Comentários recentes


Ligações

SANTA COMBA DÃO

NOTÍCIAS NO VOZ

FUTEBOL NO VOZ

INFORMÁTICA NO VOZ

LUSO IN SÃO PAULO

FOTOS NO FACEBOOK