Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Capitalismo no mundo global

por neves, aj, em 05.05.06

[Error: Irreparable invalid markup ('<fontcolor="#008080">') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<p align="center" class="MsoNormal"><fontcolor="#008080" size="2" face="Verdana"><strong>(opinião deGoulart Medeiros</strong></font><font color="#008080"><b>)</b></font></p><div align="center"><center><table border="5" cellpadding="5" cellspacing="5" width="495"bordercolor="#FFFFFF"> <tr> <td align="center" bordercolor="#000080"><img src="http://img.photobucket.com/albums/v642/Seven2005/fotogoulart.jpg" alt="Image hosted by Photobucket.com" width="137" height="164"><br> <font color="#008080" size="2" face="Times New Roman"><b><i>GOULART MEDEIROS</i></b></font></td> <td><p align="justify"><font color="#000080" size="4" face="Times New Roman"><b>Capitalismo no mundo global</b></font></p> <p align="justify"><font face="Verdana" size="2" color="#000080"><b>O que desejo fazer aqui é apontar as fraquezas de nosso inimigo, no presente e no futuro mais próximo, de forma a podermos delinear uma estratégia adequada para lutar contra ele.</b></font></p> </td> </tr></table></center></div><p><a href="http://vozdoseven.weblog.com.pt/arquivos/215265.html"target="_blank"><font color="#0000FF" size="2" face="Verdana"><strong>quemé Goulart Medeiros</strong></font></a><br><a href="mailto:goulartmedeiros@hotmail.com"><fontcolor="#008080" size="2" face="Verdana"><b>goulartmedeiros@hotmail.com</b></font></a><br><a href="http://www.blog.comunidades.net/goulart/"target="_blank"><font color="#0000FF" size="2" face="Verdana"><b>GoulartMedeiros &#150; Democracia Directa</b></font></a></p><p align="justify"><br><br><font face="Verdana" size="2" color="#000080"><br><br>Companheiros, não irei fazer uma exposição académica do capitalismo na era da globalização. Isto tem sido feito brilhantemente por um certo número de autores e qualquer um de vós poderá obter descrições e análises desse género, sem dúvida relevantes para colocar no devido contexto a discussão que desejo iniciar com este artigo. <br><br>O que desejo fazer aqui é apontar as fraquezas de nosso inimigo, no presente e no futuro mais próximo, de forma a podermos delinear uma estratégia adequada para lutar contra ele. <br><br>Só conhecendo, o melhor possível, os pontos fracos do inimigo, se poderá começar a construir uma estratégia que faça sentido, ou seja, que nos aproxime do objectivo geral da abolição duma sociedade dividida em classes, do fim do reino da propriedade privada, que se sobrepõe ao direito à própria vida dos desapossados (os proletários, os escravos assalariados), dos que sustentam e perpetuam esta propriedade. <br><br>Os quatro pés de barro seleccionados, não apenas são simbólicos da «besta», mas sobretudo são a meu ver quatro pilares fundamentais pois, sem a sua existência, o funcionamento do sistema capitalista contemporâneo que designamos por neo-liberalismo, seria impossível. O encadeamento dos quatro “pés de barro” parece-me lógico pois, embora os quatro estejam articulados entre si, o nexo entre pés sucessivos surge como mais próximo, devido à escala em que se colocam as questões práticas.<br><br>Seleccionei quarto pontos fracos que os neo-liberais não podem ultrapassar, devido à própria natureza do sistema: o primeiro, é a perda da coesão social nas sociedades capitalistas chamadas de “desenvolvidas”; o segundo, é o comportamento aparentemente caótico de um sistema financeiro sujeito às forças cegas do mercado, ou seja, da especulação; o terceiro é a hegemonia exercida por um super poder mundial, tentando mantê-la a qualquer preço, através de uma guerra sem fim, infinita, “contra o terrorismo”, uma guerra de pleno terrorismo de estado, contra quaisquer povos da Terra, incluindo os seus próprios nacionais; e o quarto, a irreversível degradação do ambiente devido à extracção dos recursos naturais mundiais e uma produção para o lucro, com a acumulação de todo o tipo de matérias degradadas e de poluentes, sem qualquer preocupação pela manutenção do equilíbrio ecológico.<br><br>Todas estas questões principais estão relacionadas entre si e não podemos compreender plenamente nenhuma delas sem nos referirmos às restantes três. Note-se que partilham alguns pontos, além de serem típicas da era da globalização capitalista neo-liberal: <br><br>Todas correspondem a fenómenos muito clara e objectivamente observáveis no mundo real, cuja existência não é posta em causa, nem mesmo pelos defensores ortodoxos dos dogmas capitalistas. <br><br>Outra propriedade que as caracteriza, é a irreversibilidade dos fenómenos que as subjazem: estes problemas são de tal modo estruturais que, dentro do sistema capitalista, é difícil conceber sequer um eventual caminho que pudesse revertê-los. <br><br>As mais poderosas forças, tanto dos governos, como das grandes corporações transnacionais, estão resignadas a aceitá-los, algumas até extraem daí importantes lucros. <br><br>De facto, nenhum dos apologistas do neo-liberalismo jamais tentou apresentar uma verdadeira solução para tais problemas. Para lá da propaganda, eles sabem muito bem que estes problemas não têm qualquer solução nos limites estabelecidos dentro da sociedade de classes. <br><br>Por último, estes problemas são em si mesmos outras tantas razões fortes para uma pessoa inteligente desejar a abolição da ditadura capitalista, dado que ao tomar conhecimento destes problemas, qualquer um ficará consciente de que esta sociedade nem sequer tem sido capaz de satisfazer os padrões mínimos de decência na vida de mais de quatro quintos da população mundial.<br><br></font></p>

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:10




  


 photo logoasminhasfotos_zps81358f6e.png

calendário

Maio 2006

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031




Comentários recentes


Ligações

SANTA COMBA DÃO

NOTÍCIAS NO VOZ

FUTEBOL NO VOZ

INFORMÁTICA NO VOZ

LUSO IN SÃO PAULO

FOTOS NO FACEBOOK