Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



... e o César voltou a sorrir!

por neves, aj, em 30.05.08

PhotobucketCom sinceridade vos dizemos caros amigos e amigas que quando descobrimos esta foto ficámos deveras felizes por vermos o César a sorrir.
Novamente a sorrir deveríamos talvez escrever já que os tempos imediatos ao infortúnio que o atingiu teriam sido tão terríveis e difíceis que nos sentimos incapazes para imaginar a dor e, principalmente, o desânimo que tomou conta da mente deste jovem que, qual rebento ainda a desabrochar, se viu limitado de movimentos.
Do César já vos falámos aqui no Voz. Na altura contámos que o nosso conterrâneo, residente na pequena aldeia do Coval da freguesia da amada Santa Comba Dão, tinha sofrido um acidente e que necessitava de angariar fundos para poder passar por uma cirurgia que lhe permitisse mais autonomia para encarar a vida de igual modo a outro qualquer. Soubemos que estava sendo feita campanha de sensibilização à população e arranjámos (ou arrumámos conforme as perspectivas) aqui um cantinho no Voz para dar conhecimento a todos aqueles que quisessem juntar-se à onda de solidariedade.

Photobucket

Bem gostaríamos, mas sobre a cirurgia em verdade vos temos de dizer que nada sabemos, desconhecendo completamente se a intervenção foi realmente já efectuada. Lamentamos, mas como do nosso lamento não reza a história continuemos.
E continuemos para repetir que à distância de milhares de quilómetros nos sentimos deveras contentes por ver não só o César sorrir, mas também por constatarmos que um enorme sorriso esperançoso tomou conta de sua mãe e cuja presença na foto nos proporcionou, finalmente, identificar correctamente este nosso jovem conterrâneo de quem sabíamos apenas ser filho de um ferroviário "do outro lado do rio" que tinha casado no Coval. É certo que o pai, quiçá fotógrafo de ocasião, não nos aparece na imagem, mas não temos dúvidas absolutamente nenhumas em o identificar (o sobrenome Alves ajuda) nem ele a nós diga-se de passagem.
Assinale-se, porque se deve, que a fotografia faz parte do fórum da Associação Arcadas a quem pedimos "emprestada" somente para divulgar este belo momento de alegria e fraternidade registado por altura da realização de um concerto musical pelo agrupamento Vira Milho (da referida associação) em solidariedade para com o César e com o intuito de angariar fundos que, segundo notícia publicada no sítio, atingiram 900 euros. Parabéns à ARCADAS.
Resta-nos despedir, enviando para os pais um grande abraço de solidariedade e para o César um forte incentivo, também na forma de abraço, para que acredite e que jamais deixe de lutar... e de sorrir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48

Falando (ainda) de cravos

por neves, aj, em 30.05.08

Assim como há cravos e cravos também há presidentes e presidentes, mas o que queremos realmente dizer é que há democratas e democratas.

PhotobucketExceptuando, claro, aquela nova geração que na voz do Presidente da República até é ignorante na matéria, cremos que se contarão pelos dedos das mãos os portugueses que não relacionarão o cravo, flor, com a cor vermelha. Tudo devido a Abril e à Revolução e à enorme coincidência de uma vendedora de flores ter expostos em maior quantidade cravos dessa cor  e os começar a distribuir pelos soldados revoltosos naquela madrugada do dia 25.
Claro que esta da vendedora é uma das versões para o surgimento do Cravo Vermelho como símbolo da Revolução (a que também deu nome) e até consta que afinal teria distribuído igualmente outras flores nomeadamente cravos brancos, só que os fotógrafos jornalistas teriam dado mais ênfase aos de cor vermelha quiçá por o vermelho ser cor de sangue e de fogo, de vida, cor carregada de força, poder e brilho, como lemos por aí e convenhamos que o vermelho serviria melhor os objectivos da Revolução. Fosse como fosse o Cravo Vermelho é parte integrante da Revolução, ficará a ela associada para todo o sempre e identificará todo e qualquer que o porte na lapela como simpatizante e aderente aos princípios básicos que caracterizaram aquela madrugada vitoriosa: liberdade e democracia!
Infelizmente para certos sectores, onde poderemos atar no mesmo molho conservadores saudosistas avessos da igualdade fraternidade liberdade e alguns carneiros envergonhados, o Cravo Vermelho começou a ser visto logo de início como lança do inimigo comunista que vinha comer as criancinhas ao pequeno-almoço e matar os velhos com uma injecção atrás da orelha e nem com o amainar das águas deixaram de o considerar um símbolo vanguardista dos gajos da esquerda.
Erradamente, caros amigos, porque isso é pura demagogia reaccionária: quem usa Cravo Vermelho no 25 de Abril não tem que estar ideologicamente conotado com a chamada Esquerda e a única verdade é que o Cravo Vermelho está colado à Democracia e à Liberdade, afinal desejadas por todos. Sim, por todos, até pelos próprios que apregoam que "agora existe liberdade a mais" (embora não haja a mais nem a menos e apenas liberdade) que se servem da Liberdade e da Democracia conquistadas em Abril para defenderem as suas ideias (verdadeiro paradoxo este da Liberdade permitir que livremente se seja contra ela).
PhotobucketO próprio Presidente da República veio falar dessa Liberdade conquistada por Abril no discurso dos 34 nos da Revolução e até lembrou os tempos do regime autoritário em que se vivia privado dela, mas inexplicavelmente compareceu às comemorações despido de Cravo na lapela e pareceu-nos que colocou uma gravata vermelha como que a tentar tapar o Sol com uma peneira. De que tem ou teve medo o Presidente? E outros com iguais responsabilidades? Qual a razão de 34 anos depois ainda a maioria das entidades eleitas ou apoiadas por partidos mais à direita, se nos é permitida a colocação, como o CDS e o PPD/PSD, ainda teimarem a não usar Cravo? Acham que é uma mariquice ou serão contra os ideais de Abril ou por outras palavras anti-democráticos? Claro que haverá de tudo, mas nós não somos tão obtusos para que não consideremos muitos homens e mulheres desta área como democratas (indo mais longe e no sentido contrário diremos também que alguns que vagueiam pela chamada esquerda e que até usarão cravo são aquilo que se chama de democrata de café ou de tasca cujo lema é olha para o que eu digo não olhes para o que eu faço). Então porque não colocarão o Cravo? Será por preconceito ou por medo de os seus pares (e eleitores) os conotarem "mais à esquerda"? Muito possível, principalmente se em jogo possam estar eleições futuras. Infelizmente tal não é apanágio apenas desses a que atrás nos referimos já que nos lembramos bem que em um belo ano de comemorações (e curiosamente de eleições) uma fatia da "esquerda socialista" no poder se furtou a ostentar o Cravo. Talvez temessem que o diabo fosse tecê-las... teceu-as muito mas tarde, afinal.
É verdade que essa mesma Liberdade que Abril nos ofereceu permite que cada um faça a sua escolha, mas o exemplo deve "vir de cima" e, voltando ao Chefe de Estado que está obrigado a ser exemplo, deveria Sua Excelência o Presidente da República lembrar-se que ele próprio é um dos baluartes da Democracia e também símbolo da Liberdade conquistadas em Abril. Afinal tal como o Cravo que, repetimos, é já um símbolo eternizado da Revolução de 25 de Abril.

E veio toda esta conversa à volta de cravos e de democratas a propósito de uma foto que vimos no quinzenárioVoz do Dão  retratando as comemorações dos 34 anos da Revolução do 25 de Abril na nossa cidade de Santa Comba Dão onde constatamos (com contentamento, confessamos) que o nosso jovem Presidente (da Câmara) ostenta na lapela com galhardia um Cravo Vermelho provando que tudo o que acima escrevemos estará correcto e que permite ainda enviar recados a colegas de coligação, à esquerda e à direita (e até a sul) de que é livre de preconceitos e que Democracia não será palavra vã na sua mente. Registe-se, dando-lhe força, outro cravo a seu lado, um Cravo que é uma das mais antigas e respeitadas vozes democratas da terra e da região, Lauro Gonçalves, e cujo nome já está eternizado como um dos maiores impulsionadores da nossa ditosa Santa Comba Dão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:54

Futsal em São Joaninho

por neves, aj, em 27.05.08

Recebemos do Clube Recreativo de São Joaninho, Santa Comba Dão, e (re)divulgamos

CLICARCLICAR

lembrando que cada uma das miniaturas leva a cartaz em tamanho de maiores dimensões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:00

Satisfações aos leitores

por neves, aj, em 25.05.08

PhotobucketSatisfação é realmente palavra sinónimo de alegria, mas aqui escrita no plural é para vos dar explicações mui especialmente aos leitores fiéis que diariamente vêm até nós.
Certamente que já repararam que andamos um pouco em contenção de palavras ou por outras palavras não andamos a escrever coisa que jeito tenha e algumas entradas que vamos colocando até são de interesse relativo.
O que vos queremos pedir é que inventem um pouco de paciência. A concentração anda um pouco dispersa não propriamente por algo que nos atrapalhe a vida, simplesmente andamos a arrumar a casa, leia-se dar uma volta aos arquivos que vamos guardando, os construídos e os que recebemos de amigos, e que andam por aí pelo disco da velha carcaça ao deus dará em completa bagunça se nos é permitido. Depois também andamos às voltas com o dossier EURO que queremos construir para mais tarde recordar (se valer a pena) tal como costumamos fazer com o daedição 2004(espera-se que todas as ligações estejam ainda activas), mas nem tanto para trazer à memória este ou aquele resultado antes sim (re)ler o que escrevemos, reter o que gostámos e os erros também (somos apologistas da "pedagogia do erro") principalmente aqueles erros que empregámosna construção electrónica das páginas. Eles por lá continuam (não incomodam em demasia) para que não mais os esqueçamos... tempos em que Voz do Seven ainda mal gatinhava.
Não podemos deixar de avisar que de jeito nenhum nos esquecemos de finalizar a obra a que há tempos nos propusemos  com tanto entusiasmo: o álbum SANTA COMBA DÃO - FOTOS ANTIGAS. É verdade que talvez este entusiasmo tenha esfriado um pouco (talvez o número reduzido de visitas tenha também contribuído) mas o problema é que se começámos a legendar cada uma das fotos teremos, por princípio, de acabar da mesma forma. E isso come tempo, muito tempo e por vezes ficamos desorientados na localização temporal sem conseguirmos estabelecer com certeza o que a vontade desejaria escrever (algumas das fotos são bem antigas sem referências na nossa memória e lembrai-vos que nós temos "apenas" cinquenta... e uns trocos).
Segue outro alerta desta vez para o amigo Sandro: tem calma, pá. As fotos que enviaste não se perderam na estratosfera da web nem caíram em saco roto, garanto-te. Por cá até já se arrumou um espaço para elas, vai ser no flick como as do álbum anteriormente falado, mas muito provavelmente noutra página visto que ali a opção gratuita já não deixa "fazer álbum". E tirar um dos três que lá estão para colocar este, dá trabalho, muito trabalho e consumo de tempo, muito tempo. Entendido? Se Roma e Pavia não se fizeram num dia muito menos um álbum da ditosa Santa Comba, ou não achas?
Aquele abraço p'ro pessoal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:54

C'um Raio

por neves, aj, em 22.05.08

CR ao Estêvão de Faria, já...
(crónica com leve cheirinho tripeiro a intrometer-se na Beira, na Nossa Beira)

PhotobucketJá dará para perceber, pelas maiúsculas em destaque, que esta crónica é em tua honra, antes dirigida a ti meu menino que não andas a portar-te muito bem nomeadamente em chutos ou chutes de 11 metros.
É certo que marcaste um golaço, mas, desculpa lá o palavrão, aquela cagada no final (em que és reincidente) borrou toda a escrita que desenhaste no relvado (gramado) do Luzhniki, em Moscovo. E pelas fotos até me dá a impressão que não festejaste a conquista da Taça como o terias feito se tivesses convertido a má fadada penalidade (antes que me esqueça dou-te por conselho pagar uma bacalhoada ao Van der Sar lá na Ilha, mas só no final do Euro e quando o Alberto João andar por outras paragens senão rouba a cena com as cagadas habituais).
Fico preocupado. Sério, estou a falar a sério. Convicção meu lindo. Parte para a bola com convicção, c'um raio. Digo-te ainda que naquela situação, marcação da penalidade máxima, essas mariquices de beijar a bola estão contra-indicadas. Uma bola não se beija, agride-se. Não se ama, odeia-se. Beijinhos no esférico são para o goleiro se o impedir de entrar. E mais... paradinha daquelas já o meu avô, que nasceu antes do futebol ter sido inventado, as fazia. Grande morcão, ter-se-ia gritado em coro pela Inbicta afora. Tenho a impressão que não só o meu amigo Zé Varela, a caminho dos 50, como também outro amigo, o eterno Antº João Bacalhau que já passou pelo meio século e caminha à minha frente, defendiam esse autêntico passe. Não te chateies comigo, pá, e não te envergonhes de te ter "descido" aos distritais porque por lá também se aprende muita coisa. Se aprende... uma delas é essa "rudeza" para com a bola de que falei, mas por vezes também entre pares e aviso-te que nunca nos chateávamos uns com os outros. Ainda gostava de saber como são os vossos treinos (treinamentos). Será algo como "o menino Cristiano não se importa de marcar esse penalty, se faz favor?" É assim? Ora batatas. No meu tempo o mister (também tínhamos) era capaz de dizer: "enfia lá essa m... dentro da baliza (gol)". E digo-te com segurança que a bola, tantas vezes agredida com raiva e espumando, lá entrava. GOLO. O objectivo, tal como assar a sardinha onde quer que seja, tinha sido conseguido... GOLO... GOLO... três vezes GOLO.
Bom, não restem dúvidas então que estás mesmo a necessitar de um tratamento de choque que passará, inevitavelmente, por ensaboadela de Felipão entre os pinheiros das matas vizinhas ao Fontelo. No entanto, és um gajo de sorte e depressa te podes recompor já que esse ar beirão até dá vida a um morto. Acredita. Afianço-te, pá. E vai metendo isso na cachola, porque fala a Voz da experiência de um beirão de se7e (topas?) costados. Pena tenho eu por agora estar tão longe porque até te levaria ao velhinho Estêvão de Faria na minha querida Santa Comba Dão para aprenderes umas coisas. Não te rias. Garanto-te que ou fosse pelos ares ou pela história que o velho pelado tem entre grãos voltarias de lá bem diferente. Para além de joelhos e coxas esfaceladas (engrandece o ego e torna-nos mais "machos"), garanto-te que ficarias mais maduro, mais rijo e mais rude (um jogador em campo quer-se feio, sabias?) ou seja mais jogador, com muito mais confiança para bombardeares todos os Cech, Casillas ou mesmo Van der não sei quantos que te possam aparecer pela frente.
Vem-me à memória, contudo, que segundo consta até inspiraste algum ar da minha santa terrinha quando lá foste participar num daqueles torneios de equipas jovens e provavelmente terias actuado ou pelo teu Sporting ou pela Selecção de Lisboa, mas estragaram tudo ao levarem-te para o Municipal e não pudeste bebericar daquelas histórias que te queria contar lá no Estevâo de Faria. Bom, verdade seja dita que naquela altura nem tu sabias que chegarias a uma Final da Campeões nem eu imaginava que aquele puto, que provavelmente vi jogar, me daria um dia azo para escrever uma crónica de preocupação, confesso novamente, nem tanto pelo hipotético falhanço de uma penalidade no Euro (há sempre um Santo Ricardo, não?) e sim mais pela instalação de uma qualquer falta de confiança na tua mente e aí é que o caldo se pode entornar ou o gato ir às filhoses. Se já temos fama de falhar na hora da verdade (ora lê o que o teu penalty provocou) que nos espera se partirmos para a Suíça órfãos ou coxos da estrela da companhia?
Apruma-te, carago!

Post-scriptum - à margem do meu recado, que não sei se consideras "puxão de orelhas" (oxalá que sim), quero que saibas caro Cristiano Ronaldo que fiquei contente por teres conquistado a Liga dos Campeões, a tua primeira, e a colocação da foto a pegares no caneco é prova disso. Dou-te igualmente os parabéns por teres sido o melhor marcador da Liga e alargo ainda os parabéns ao Nani e ao Carlos Queirós como não podia deixar de ser. No entanto, e como é nas horas amargas que se vêem os amigos, envio aquele abraço de solidariedade para o Ricardo Carvalho, para o Paulo Ferreira (cada um já vencedor de uma Liga ao serviço do FC Porto) e para o Hilário que embora vencidos se devem considerar satisfeitos por terem ajudado a sua equipa a chegar tão longe, à Final.
De adversários ontem, agora que Cristiano Ronaldo, Nani, Ricardo Carvalho e Paulo Ferreira unam as mãos em torno da mesma causa: a Nossa Selecção que, como todos sabemos, estagia por Viseu, pela minha Beira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

Ainda o Feriado de Santa Comba Dão

por neves, aj, em 15.05.08

Para que não se pense que sonhámos ou que a idade ou a distância (ou mesmo a imensidão atlântica) nos tornou alucinadosvejam aqui esta pérola que encontrámos hoje, durante pesquisa sobre a Ascensão, encerrada em ostra bem velhinha certamente, mas que vem de encontro ao que afirmámos no9º aniversário de cidade de que o feriado Municipal de Santa Comba Dão já foi a 3 de Maio, dia da Santa Cruz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:48

Santa Comba Dão, 9 anos de Cidade

por neves, aj, em 13.05.08

(para que não caia no esquecimento)

PhotobucketA nossa ditosa Santa Comba Dão comemora hoje, dia 13 de Maio, mais um aniversário da sua elevação a cidade. O nono. Efectivamente foi neste dia do ano de 1999 que a Assembleia da República o decretou apesar de só no dia 1 de Novembro desse mesmo ano é que passou a lei. Houve festa rija no burgo e a quinta torre, identificativa da nova categoria, passou então a fazer parte do Brasão.
Sinceramente que sempre acreditámos que tal mudança de estatuto enchesse de orgulho as gentes santacombadenses. Vá lá saber-se por quais razões, mas levantaram-se de imediato vozes alcoviteiras (talvez habituadas às concepções conservadoras e centralistas do antigamente) apregoando que Santa Comba não era uma cidade antes sim uma nexecidade e que preferiam uma vila grande a uma cidade pequena. De forma bem sincera vos dizemos, antes que esqueça, que se pertencêssemos a uma Vila grande muito haveríamos de nos perguntar da razão de não sermos cidade, aliás muito haveria a perguntar aos autarcas das razões de ausência das infra-estruturas mais básicas já que são estas que com uma determinada população eleitoral (mínima de 8 mil) determinam a mudança de estatuto.
Sabemos nós que muitas destas manifestações não eram verdadeiramente hostis, eram como que fogo-de-artifício, e depressa a população se habituou à ideia. No entanto sabemos nós e todos também sabem que algumas ficaram bem guardadas. Nós, apologistas da evolução e progresso, batemo-nos pela "causa" e chegámos a propor, se assim se pode dizer, em escritos no semanário Defesa da Beira pela consagração do dia 13 de Maio como Feriado Municipal de Santa Comba Dão. Adiante-se desde já, e mais como aviso aos que se preocupam em ajuizar precocemente, que não fomos pagos para o fazer e nem foram motivos político-partidários (somos livres) que nos levaram a fazê-lo. É verdade que recebemos apoio, solidariedade pensámos nós na altura apesar de neste preciso momento não sabermos se da parte de alguns houve segundas intenções, mas a principal das razões que nos levaram a "criar" um novo Feriado foi a completa descaracterização do então feriado de Quinta-feira da Ascensão, que paradoxalmente ressuscitou agora com a alternância das cores à frente da Autarquia, e uma outra razão foi a de que esse dia estivesse apenas enraizado com a terra e livre de outras concepções como as religiosas (afinal Portugal é um Estado laico).
PhotobucketAtente-se que não tememos o uso do termo descaracterização. Temos conhecimento do que se passa no terreno e não acreditamos lá muito que após a nossa ausência o Povo se tenha tornado mais católico apostólico romano (antes pelo contrário, talvez) como não acreditamos que a juventude tenha regressado aos campos acompanhando os pais para colher a espiga, curiosamente como nós fazíamos com a Rosita do Outerinho e quanto à tradição do dia não nos chegou a informação de que a festa popular do "buss(ç)aquito" tenha ressurgido das cinzas. Bom, para além de defendermos que o DIA DE UMA TERRA deve ter algo relacionado com ela própria, achamos descabido que se coloque um dia (afinal apenas uma Quinta-feira, véspera de Sexta, propício a "ponte") em que a população num geral nunca sabe quando é e que só os mais atentos lá por alturas da Páscoa é que se lembram de acrescentar 39 dias. Mesmo assim por vezes passa desapercebido e muitos só se darão conta quando batem com as ventas na porta (de um edifício público já que o comércio talvez continue aberto).
Acreditamos, contudo, que nos próximos anos muito provavelmente o Feriado deixará de passar desapercebido já que de forma inteligente a presente edilidade que o ressuscitou não vai deixá-lo cair no esquecimento, mas perguntamos nós: e se a bandeira muda daqui a uns anos?  Ficamos com as Bandeiras hasteadas numa Quinta-feira sem festividades ou voltamos ao 13 de Maio como forma de dar o troco? Isto porque não existem alternativas... bom, como diria o Joaquim Matoco, só se entretanto se criar um movimento monárquico e resolva propor o 12 de Setembro (1514) data da concessão do Foral por D. Manuel I.
É lógico que não poderíamos finalizar sem retorquir ao que, muito provavelmente, desejais contrapor lembrando-nos que as raízes históricas e/ou culturais de um Povo ou as tradições devem ser mantidas. É verdade que nada disso deve ser descurado, mas também sabemos que a evolução dos tempos (e mental) e o progresso nos obrigam por vezes a "cortar" com o passado e a memória nem precisou correr muito já que temos aí o exemplo bem fresco do freixo cortado. E será que uma tradição tão bárbara como a de matar touros em praça pública deve ser mantida? Mesmo quanto ao restabelecimento das razões históricas temos que ter um certo cuidado ou vamos declarar guerra à Espanha para recuperamos Olivença que o Tratado de Viena de 1815 (subscrito por Espanha em 1817) diz que é nossa?
Voltando a Santa Comba e às suas raízes, porque não colocar então o Feriado Municipal no dia 3 de Maio, dia de Santa Cruz, como era na nossa infância?

Agora sim, cheguei ao final ditosa mãe-terra. Desculpa lá ter-me desviado um pouco e alongado demais, mas tu já sabes o que a casa gasta. Não sei se vais gostar do presente que te ofereço neste teu aniversário, reconheço não tão bonitoquanto este, mas tens de concordar que nem sempre se pode alinhar com o que gira à tua volta apesar de que a democracia me manda acatar certas determinações. Fica assim prometido que como filho não vou ser tão besta como o foi este ano o redactor do Voz que se "esqueceu" de referenciar o 1 de Maio e futuramente até vou aqui cantar os parabéns no Dia do Município (em 2009 é a 21 de Maio, sabias?), mas também te prometo que não deixarei passar o teu Dia de Elevação a Cidade que escuso de te lembrar porque tu sabes e saberás sempre qual é.
Teu
Neves, AJ

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:28

Rosas p'ra minha Maria

por neves, aj, em 12.05.08
salve 12 de Maio

Photobucket... este ano acompanhadas de uns deliciosos chocolates p'ra dividirmos mais logo e de um urso peludinho (podem deles dizer cobras e lagartos, mas toda a mulher gosta de ter um).
Parabéns a Você "Maria"por mais um ano (eheheh) e não te chateies pelo acrescento já o que conta é que eles venham sendo somados em harmonia.
Devo dizer-te que vejo os olhos da nossa Piruças também a desejarem-te um dia muito feliz (esperemos que o bolo não se esqueça de crescer e o leite creme fique com uma camada bem queimadinha) e remato com o maior dos desejos (nada egoísta... eheheh): de que para o ano cá estejamos de novo os três a apagar as velinhas e a cantar os parabéns (agora nesta versão mais minha para só ser tocada quando cortares o bolo).

Teu home...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:54

Muitos chamarão de idiotice. Mais uma, dirão outros tantos, mas a verdade é que se o estimado leitor colaborar tendo a fineza de responder à sondagem sem aquelas macaquices que tanto caracterizam o anonimato talvez se tirem conclusões interessantes... ou então talvez tenhamos nós que engolir um sapo pelo juízo feito.
Só pedimos que responda com seriedade e no acto sem pedir ajudinha alguma, ok? Acrescente-se que no local onde os resultados da votação vão aparecendo é possível colocar comentário. Podem dizer da vossa justiça, desde que as palavras façam parte do léxico do respeito, claro.

SONDAGEM
O Feriado Municipal, tal como o aniversário de cada um, deve constar da memória do munícipe que se preze como tal.
Sendo que em
2008 o Feriado Municipal de Santa Comba Dão foi em 1 de Maio, pergunta-se:
Em que data ocorrerá o Feriado Municipal no ano de 2009?

Em 2008, foi no dia 1 de Maio. Quando será o Feriado Municipal de Santa Comba Dão no ano de 2009 ?
1 de Maio de 2009
1 de Junho de 2009
Primeira Quinta-feira de Maio
21 de Maio de 2009
Não sei... para o ano logo se vê
= ver resultados =

A sondagem já foi fechada. Veja como chegámos ao dia 21 de Maio de 2009 em artigo intitulado Ascensão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:12

Equipa das Trutas

por neves, aj, em 09.05.08

Photobucket... que uma bela manhã partiu da ditosa Santa Comba Dão em busca de bogas, bordalos e barbos (também carpas certamente) nas águas durienses do município de São João da Pesqueira. É verdade que estes pormenores identificativos não acompanhavam a foto que nos foi enviada pelo amigo Sandro, esse mesmo aquele que um dia foi enaltecido pelo nosso eterno amigo e companheiro Raposão em artigo no Defesa, mas quem tem amigos por aí à mão de semear nunca se atrapalha. Vai daí o amigo João (uma das trutas que consta da foto, claro) esclareceu-nos devidamente. Para além de nos dar as dicas sobre uma ou outra truta que nos escapava disse-nos então que esta ida a concurso lá acima ao extremo norte do Distrito de Viseu aconteceu  no dia 19 de Setembro de 1982, um Domingo, já que as trutas não são profissionais e durante a semana têm os seus afazeres.
Esqueceu-se, no entanto, o amigo João de nos indicar os resultados da participação santacombadense em águas desconhecidas, mas cremos que tão rico leque não nos teria deixado ficar mal e observando atentamente a foto (tamanho maior e ampliação legendada) até vemos que conquistaram alguns troféus orgulhosamente exibidos para a objectiva. Merecerão ainda Menção Honrosa de referência os prémios conquistados por duas figuras bem conhecidas no burgo já desaparecidas fisicamente, o barbeiro Salomão e o senhor Alberto (da Iracema), que provavelmente serão néctares produzidos na zona e que embora de águas bem diferentes das do Dão se bem aprimorados poderão transformar-se em afamado Porto.
Das peripécias da viagem não reza aqui a crónica, mas fica o desafio ao amigo João para as narrar principalmente para explicar a todo o mundo como se pesca uma perdiz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:47

Pág. 1/2





  


 photo logoasminhasfotos_zps81358f6e.png

calendário

Maio 2008

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031




Comentários recentes


Ligações

SANTA COMBA DÃO

NOTÍCIAS NO VOZ

FUTEBOL NO VOZ

INFORMÁTICA NO VOZ

LUSO IN SÃO PAULO

FOTOS NO FACEBOOK