Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um lustro cheio de brilho!

por neves, aj, em 13.05.04

Um lustro cheio de brilho

...é o que quero desejar à cidade, que continuo a chamar de minha apesar da distância.
Ao inventar o título da crónica pensei logo que Herman diria que a língua portuguesa é mesmo muito traiçoeira. Eu direi antes que se presta a jogos, a jogos de palavras que são uma característica mui própria de alguns iluminados como os grandes humoristas da palavra dita ou escrita. Convenhamos que tais trocadilhos podem tornar-se aborrecidos se franqueados à ironia, mas escrita feita de tais atributos léxicos dá ao leitor a garantia absoluta de passar além da imaginação.
Um dos autores que é pródigo em tais jogos é Rui Zink, esse mesmo, um dos residentes do “Noites da Má Língua”, programa que já findou e não sei se já “teve alta” do purgatório aque foi votado pela tolerância dos telespectadores. Conheci Zink no encontro Portugal das Novas Gerações promovido pelo Instituto Camões de São Paulo e em que era pressuposto falar-se dos “30 anos da Revolução dos Cravos”. Afinal o “tiro saiu-me pela culatra”, pois dos quatro escritores portugueses presentes no palco só a idade de um era superior à minha, que em 74 completei 19 anos. Esse escritor mais velho, que exerce a profissão de médico psiquiatra dá pelo nome de Daniel Sampaio (o autor do recomendável Inventem-se Novos Paise que mais uma vez não conseguiu escapar à embaraçosa irmandade com o Presidente) e focou essencialmente a revolução de mentalidades na família. Os outros limitaram-se a relatar o que leram ou ouviram e como diria mais tarde Zink "“as balas da Revolução passavam por cima dos meus 12 anos"”.
Eu deveria ter desconfiado logo quando entrei todo lampeiro no pequeno anfiteatro naquela segunda-feira da penúltima semana de Abril e não deparei nem com cartaz alusivo nem com simples jarra de cravos. Oito dias depois interroguei-me se estaria o Instituto Camões com orçamento reduzido ou se também por aqui o erre foi acometido de síncope num desejo qualquer de tornar o espírito da revolução mais cavo, mais cavernoso, mais oco. Apesar de tudo valeu a pena terido ouvir a Língua de Camões tal como eu a falo, já que o que me chega de Portugal sob a forma de novelas, por exemplo, é dublado para o “português falado por aqui” e até a trilha sonora é alterada.
É esta a Cultura, que afinal deixa de ser totalmente nossa, que exportamos e que oferecemos à Pátria Irmã...
Mas, esta Crónica deseja ser de festa.
E endereço, desde já, os parabéns à nossa terra de Santa Comba Dão pelos seus cinco anos de existência como cidade. Foi realmente em Maio, 13 do ano de 1999 que as pessoas se interrogaram da razão do estrelejar do céu santacombadense, dia em que a Assembleia da República tinha aprovado, por unanimidade, a elevação a cidade da então vila de Santa Comba. É data que deve encher de orgulho todos os santacombadenses, sejam eles os nascidos entre os muros do concelho, sejam aqueles que escolheram a nossa terra para “fazer a sua vida”... sejam os que se encontram presentes sejam também os que se encontram ausentes, como eu.
Eu que fiquei particularmente feliz, não só por o ter defendido em duas ocasiões (Dois anos de Cidade e 13 de Maio) no semanário da nossa terra, que a Assembleia Municipal da autarquia tenha votado por unanimidade afirmativa a proposta da alteração do Feriado Municipal para o dia 13 de Maio, acrescentando-lhe a denominação mui acertada de Dia do Concelho e que neste primeiro lustro de existência haja comemoração especial como me chega através do site da Câmara Municipal.
Em viagem pelas páginas do Defesa da Beira e pelo citado sítio internético (infelizmente ainda sem o fórum de discussão, que era um meio de aproximação entre santacombadenses) constato, orgulhosamente, que a cidade não pára. Que é realmente cidade e não nechechidade. É dever enaltecer o esforço da Autarquia em dar vida às águas sulfurosas do Granjal e finalmente parece que vai ter forma o já denominado Parque de Saúde e Lazer das Termas do Granjal. Por outro lado vejo que a Casa da Cultura é Ferrari (se me permitem a analogia) que não é mera ostentação, antes pelo contrário vai de vento em popa. Elas são as exposições de pintura de artistas santacombadenses ou de localidades vizinhas, as sessões de teatro entre elas as incorporadas no Festival do Grupo Cénico de S. Joaninho da nossa cidade, os desfiles, as músicas, os cantos, as periódicas sessões de cinema... ainda a criação de um atelier de fotografia e outro mais que eu não tenha conhecimento.
Não chega até mim a reacção das gentes, mas se o povo não adere perguntarei: “Que mais quereis senhores?”.
E apetece dizer, não sei se com nostalgia se com uma pequena dose de raivinha: porque é que no meu tempo não havia nada disto?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:29




  


calendário

Maio 2004

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031



Comentários recentes


Ligações

SANTA COMBA DÃO

NOTÍCIAS NO VOZ

FUTEBOL NO VOZ

INFORMÁTICA NO VOZ

LUSO IN SÃO PAULO

FOTOS NO FACEBOOK